BOLSA FAMÍLIA – reajuste para 2018

O auxiliar do Progresso Civil, Osmar Mundo, estimou que o Programa Bolsa Família precisa ter um reajuste, no próximo ano, entre 0,5% e 1% acima da aumento excessivo. O orçamento para a carteira, de acordo com o auxiliar, precisa assistir R$ 91 bilhões o que, de acordo com Mundo, superaria os mais ou menos R$ 80 bilhões atuais.

O auxiliar foi um dos nove chefes de pastas da Casamento que estiveram no Rio de Janeiro, nesta segunda-feira (13), para o emissão de um programa acudido para adolescentes e crianças de comunidades fluminenses. Similarmente estiveram existentes o presidente Michel Temer, o administrador Luiz Fernando Pezão e o alcaide do Rio, Marcelo Crivella.

Reajuste no Bolsa Família

“O reajuste na tabela do Bolsa Família precisa ser abaixo do aumento excessivo. Qualquer coisa abaixo deste valor. Pode ser meio por cento, um por cento. Por isso, o que vai ter lá pelo mês de março e abril, vai ser por aí”, estimou o auxiliar, que complementou dizendo que não vê dificuldade no acréscimo vir em ano eleitoral.

Cartão Bolsa Família 2017

Como o Orçamento deste ano adivinha R$ 29,7 bilhões para o Bolsa Família e o Orçamento de 2018, R$ 28,7 bilhões, o G1 procurou o Ministério do Progresso Civil para entender como será possível aceitar reajuste aos beneficiários e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem.

Objetivo fiscal

Mundo similarmente avaliou que o reajuste para o programa foi possível, entre mais elementos, graças à nova objetivo fiscal. O anúncio do orçamento em 31 de agosto, de acordo com o auxiliar, não aparecia de acordo com a reconsideração da objetivo e o que chamou de “outro universo” fiscal.

“Teve um anúncio de orçamento, em 31 de agosto, que foi realizado num universo sem a nova objetivo fiscal, e que similarmente foi realizado sem nós entender como ia se abranger a prescrição. É evidente que isto foi realizado 2 dias antes da nova objetivo fiscal, a prescrição já melhorou e possuímos um outro universo para trabalhar”, explicou.

Cadastro Bolsa Família 2017

Sobre a aguardamento de ter um orçamento para o próximo ano de R$ 91 bilhões, Mundo disse que um dos elementos que contribuiu para o acréscimo foi a reconsideração dos pagamentos de auxílios-doença. Aproximadamente 85% dos beneficiários que recebem a auxilia federal, na verdade, estão aptos para trabalhar, de acordo com o auxiliar.

“Teve um programa nosso, admirável, que foi em cima do auxílio-doença, do INSS que tá acoplado, agora, ao meu ministério. Por isso, nós conseguimos diminuir apenas este ano R$ 5 bilhões sde auxílio-doença que era acertado indevidamente. E até o ano que vem vão ser R$ 19 bilhões, numa indivíduos de 1,7 milhar de indivíduos que estavam recebido o auxílio-doença há mais de 2 anos sem reconsideração, 85% está acertado para o trabalho e não está precisando do óbolo”, frisou o auxiliar.